Teses / Dissertações

Acesso aberto às teses e dissertações do LaboMídia.

Documentos

Ordenar por : Nome | Data | Acessos [ Descendente ]

06 - O PRIMEIRO OLHAR 06 - O PRIMEIRO OLHAR

hot!
Adicionado em: 19/06/2012
Date modified: 19/06/2012
Tamanho: 2.02 MB
Downloads: 1022

Márcio Romeu Ribas de Oliveira

O PRIMEIRO OLHAR: Experiência com Imagens na Educação Física Escolar

A presente pesquisa teve como objetivo propor e refletir sobre a inserção de meios técnicos na produção de imagens no âmbito da Educação Física escolar, partindo do princípio que seus atores se percebem envolvidos no cenário da cultura mediatizada. É indiscutível a importância da produção midiática na sociedade contemporânea, como uma das suas principais linguagens, mas ainda de pouca relevância no ambiente escolar. È através das diversas mídias que nos informamos/comunicamos na vida cotidiana. No prisma cultural, elas produzem signos, sentidos e significados na maneira do ser humano perceber, sentir e ver os outros e o mundo. No campo da Educação Física, se observam manifestações da relação dialética entre a cultura de movimento e o discurso midiático. Desse contexto é que partimos para investigar a problemática, percebendo-a como um elemento articulador entre a literatura pertinente ao tema e a realidade cotidiana no espaço escolar. O campo de pesquisa materializou-se através de Oficina de Experiências no Olhar, que foi realizada com estudantes do ensino fundamental público da escola Porto do Rio Tavares, no sul da ilha, em Florianópolis. Os registros e a produção foram: experiências na conversa (entrevistas), experiências no olhar e no olhar em movimento (fotografia e vídeo), experiências no escrever (diário de campo). Esses materiais tiveram uma dupla função: como forma do professor-pesquisador se relacionar com o campo e de investigar os sujeitos da pesquisa, constituindo assim um elemento científico-educativo do processo da pesquisa.

07 - REPRESENTAÇÕES DO ESPORTE-DA-MÍDIA NA CULTURA LÚDICA DE CRIANÇAS 07 - REPRESENTAÇÕES DO ESPORTE-DA-MÍDIA NA CULTURA LÚDICA DE CRIANÇAS

hot!
Adicionado em: 19/06/2012
Date modified: 19/06/2012
Tamanho: 1.57 MB
Downloads: 1323

MARIANA MENDONÇA LISBÔA

REPRESENTAÇÕES DO ESPORTE-DA-MÍDIA NA CULTURA LÚDICA DE CRIANÇAS

A atual vida cotidiana, na esteira da globalização econômica/mundialização da cultura, passa por um processo em que os meios de comunicação de massa e as novas tecnologias se tornaram elementos constituintes importantes para compreensão da realidade e transformações que se colocam na dinâmica social. Nesse sentido, especialmente a televisão configura-se como um importante e poderoso meio de produção e veiculação de conhecimentos que vem se “naturalizando” como membro efetivo das famílias brasileiras, sendo o esporte um dos parceiros preferenciais de sua espetacularização. Assim, diariamente milhares de crianças chegam a escola com uma bagagem da tele-vivência esportiva; mas será que elas compreendem as características fundantes do esporte-da-mídia? Que representações elas constroem através dessa mediação do esporte pela TV? É possível que a escola aja como mediação institucional desta cultura midiática, através da problematização do esporte-da-mídia nas aulas de Educação Física? Buscando respostas às questões levantadas, procedemos uma pesquisa-ação orientado pela perspectiva da mediação escolar dentro do processo comunicacional, com uma turma da 2a série do ensino fundamental de uma escola pública de Florianópolis, tendo como objetivo identificar e compreender as representações sociais do esporte-da-mídia na cultura lúdica das crianças e suas possíveis transformações quando tematizadas na Educação Física escolar. De forma sumária, podemos observar que quando estimulados os alunos conseguem narrar a dimensão do esporte tele-espetáculo, percebendo os elementos e recursos utilizados em sua veiculação. Contudo, afirmar que todos os interesses e dinâmicas são compreendidos ou descortinados pelas crianças é um tanto quanto simplificar esta questão, que para muitos telespectadores (independente de idade) ainda carece de maiores esclarecimentos, o que não foi diferente para a turma. Neste contexto as representações do esporte-da-mídia em que se privilegia a competitividade, o individualismo, a obediência às regras, a mercadorização, envoltas em um discurso “positivo-funcional” do fenômeno esportivo, compartilham na cultura lúdica das crianças com sentidos/significados de resistência e contradição, fruto de suas re-significações e interpretações infantis que ocorre na ação concreta das crianças e nas suas condições sociais. Frente ao esporte-da-mídia e a sua grande capacidade de “agendamento” na sociedade é fundamental e possível que a escola, através de uma tematização problematizadora, procure nestes férteis espaços de discussão social contribuir para o fortalecimento da recepção crítica dos diferentes assuntos propostos, caso contrário, a simples celebração a-crítica, ou negação dessas temáticas, servirá a perspectivas reproducionistas de muitos discursos e representações colocados pela mídia esportiva.

08 - O “PAÍS DO FUTEBOL” NA COPA DO MUNDO 08 - O “PAÍS DO FUTEBOL” NA COPA DO MUNDO

hot!
Adicionado em: 19/06/2012
Date modified: 19/06/2012
Tamanho: 439.92 kB
Downloads: 1051

Scheila Espindola Antunes

O “PAÍS DO FUTEBOL” NA COPA DO MUNDO: estudo de recepção ao discurso midiático-esportivo com jovens escolares

Este estudo teve por objetivo conhecer e analisar a recepção de jovens escolares ao discurso midiático-esportivo durante a Copa do Mundo de 2006, realizada na Alemanha. O discurso midiático-esportivo, em especial, no âmbito do futebol, tem projetado transformações inegáveis no conjunto de representações do imaginário socialmente partilhado em torno do conceito de esporte e sua prática. Não apenas pelo alcance dos meios de comunicação de massa, mas também por sua agilidade em formar e constituir teias sociais de pensamentos, hábitos e estilos de vida que (re)organizam valores à viabilizar a sustentação da lógica mercadológica que rege a sociedade do consumo. Tais transformações, ao serem incorporadas pelos sujeitos a partir do consumo de discursos midiático-esportivos, fazem com que a mídia exerça um importante papel mediador entre o esporte espetáculo e o sujeito-receptor. Para que os sujeitos não assumam, de maneira inconsciente, os valores, sentidos e significados veiculados por meio dos “pacotes esportivos”, é necessário o recurso a mediações que oportunizem uma leitura mais crítica desses discursos e que promovam, nos sujeitos, autonomia para a realização de suas escolhas. Nesse sentido, em nosso estudo utilizamos um quadro teórico composto pelos conceitos da Teoria Crítica articulados aos estudos de Recepção e da Teoria das Múltiplas Mediações, sob o viés dos Estudos Latino- Americanos. O trabalho de campo, deu-se com alunos do ensino médio do Colégio de Aplicação da UFSC, num período que englobou a Copa do Mundo/2006. Para conhecermos suas principais mediações e o tratamento dados as mensagens que consomem por meio do discurso midiático-esportivo, foram mobilizados como procedimentos, instrumentos e técnicas de pesquisa: questionário, entrevistas semi-estruturas, grupos focais e observação participante. Analisando e discutindo a realidade observada em campo constatamos que, na visão dos sujeitos, a escola e a família são suas principais mediações institucionais, assim como foi atribuída à mídia significativa representatividade enquanto mediação tecnológica. Também constatamos que tanto a escola, como a educação física, necessitam repensar suas ações pedagógicas, no sentido de investir, cada vez mais, numa formação que não esteja isolada do mundo vivido pelos sujeitos. Por isso, propõe-se pensar numa perspectiva de ensino mais crítica, que atenda as necessidades de uma educação para a mídia.

09 - DA FÁBRICA AO CAMPO DE FUTEBOL, VENDER TECIDO E VENDER ESPETÁCULO 09 - DA FÁBRICA AO CAMPO DE FUTEBOL, VENDER TECIDO E VENDER ESPETÁCULO

hot!
Adicionado em: 19/06/2012
Date modified: 19/06/2012
Tamanho: 524.74 kB
Downloads: 1381

SÉRGIO DORENSKI DANTAS RIBEIRO

DA FÁBRICA AO CAMPO DE FUTEBOL, VENDER TECIDO E VENDER ESPETÁCULO: tecendo os fios da história de um “Casamento Feliz”

Este estudo analisou o fetiche produzido pela mercadoria esporte, a partir de uma situação concreta: o surgimento de um Clube de Futebol de Fábrica (Associação Desportiva Confiança), na cidade de Aracaju/SE, no ano de 1949. Tendo como matriz teórica (epistemológica) o materialismo histórico, o estudo partiu de um conceito da mercadoria elaborado por Karl Marx, no século XIX e de sua metamorfose, chegando a um bem cultural (como o esporte), que se configura em nosso tempo com o processo de banalização da cultura ou Indústria Cultural. Neste sentido, analisei o esporte em suas várias dimensões na modernidade, em sua forma de rendimento e espetáculo, bem como na aproximação com a mídia, quando esta media seu espetáculo. A relevância social à qual a pesquisa foi submetida, possibilita uma discussão sobre as faces ocultadas pelo fetiche do esporte, pois quando se analisa um fenômeno, perpassando pelas suas bases históricas, políticas, econômicas e sociais, além de tratar da contradição e de interesses antagônicos de ordem do capital, pode-se contribuir para promover uma ampla discussão sobre esse fenômeno nos dias de hoje e sua relação com a formação humana. A partir do método dialético, a investigação teve como opção metodológica, numa perspectiva qualitativa, a caracterização de uma pesquisa histórica. Nos procedimentos para “colheita” dos dados foi inclusa a captura das informações em jornais (mídia impressa) sobre a história da formação do time de futebol da Fábrica, com recortes no período de 1949 a 1970, e entrevistas - semi-estruturadas - com pessoas (cronistas esportivos, diretores do clube, jogadores, jornalistas, operários) que fizeram e fazem a história do clube. A sistematização e a interpretação dos dados (base documental e depoimentos) foram procedidas por meio da análise de conteúdo, a partir de categorias extraídas do próprio campo investigativo. Neste sentido, encontrei subsídios que apontam para o processo de mercadorização do esporte em Aracaju e também do papel da mídia na veiculação do espetáculo esportivo.

10 - AVATARES NO SECOND LIFE 10 - AVATARES NO SECOND LIFE

hot!
Adicionado em: 19/06/2012
Date modified: 19/06/2012
Tamanho: 1.01 MB
Downloads: 2222

Rogério Pereira dos Santos

AVATARES NO SECOND LIFE:

CORPO E MOVIMENTO NA CONSTITUIÇÃO DA NOÇÃO DE PESSOA ON-LINE.

 

Esta dissertação configura-se como uma busca interpretativa da constituição do “ser” on-line. Pretende-se revelar de que forma corpo e movimento, consolidados objetos de intervenção pedagógica da Educação Física, são problematizados no ciberespaço, em especial no jogo de computador Second Life. Trata-se de um percurso que busca colaborar para uma “Antropologia no ciberespaço”, compreendendo, com ênfase no aspecto vivencial dos sujeitos, o ciberespaço como um campo antropológico onde se fazem etnografias. Assume-se o corpo como uma construção simbólica e o ciberespaço como uma das dimensões constituintes das sociedades complexas. Da reunião de ações e diálogos que se desenrolaram em um espaço social compartilhado a partir de avatares, pode-se destacar as inúmeras estratégias, recursos, dimensões, regras, interações que contribuem para a construção da noção de pessoa on-line. A partir das observações, percebeu-se que os conceitos de imaginação e imaginário são essenciais para compreender como os participantes tecem caminhos em suas brincadeiras narrativas para construir no ciberespaço uma corporalidade que é central em suas interações. O sentido do avatar e dos demais objetos do Second Life só pode ser dado a partir das ações dos participantes no jogo. Estes, sujeitos dotados de intencionalidade, fazem parte de uma rede de relações ao mesmo tempo em que suas ações são condição para a que a relação exista. É no momento em que as brincadeiras narrativas acontecem no Second Life que cada participante tenta traçar para a sua identidade on-line uma estabilidade que o faça tanto reconhecido quanto aceito nas situações interativas do grupo. A brincadeira de construir-se corporalmente no ciberespaço pode ser um momento privilegiado para refletir e questionar a visão dualística cartesiana que entende o corpo como entidade que contém somente aquilo que é abrangido pelo invólucro externo, a pele humana. Para justificar o objeto e o campo de estudo, o trabalho também discorre sobre as possíveis aproximações das tecnologias digitais – em especial dos jogos eletrônicos – com a Educação Física e traz reflexões sobre o conceito do que é virtual em busca do rompimento da oposição dualística com o real.